UNIMED - Sergipe
z
08 de Maio de 2020

Máscara de pano: uma ajuda caseira no combate ao coronavírus

Coronavirus - Mascaras - FB-IGG.png

 

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a corrida pela fabricação e aquisição de máscaras só aumenta. Com a escassez das máscaras cirúrgicas e máscaras N95 no mercado, o Ministério da Saúde e os órgãos públicos estaduais passaram a orientar o uso das máscaras de pano para toda a população.

 

Inclusive, o último decreto expedido pelo governo estadual ressalta que os sergipanos utilizem máscaras quando precisarem sair de casa. Nesse caso, são recomendadas as máscaras de pano, já que as demais devem ser utilizadas por profissionais de saúde e pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus.

 

Segundo a médica infectologista, Dra. Mariela Cometki, as máscaras de tecido criam uma barreira física que segura a emissão de gotículas enquanto a pessoa fala, tosse ou simplesmente respira. Assim, a máscara de pano ajuda a reduzir a propagação viral de pessoas assintomáticas e auxilia na proteção de quem está ao seu redor. Quanto mais pessoas usarem corretamente, menos o vírus se espalha.

 

As máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão ou tricoline, desde que utilizadas e higienizadas corretamente. O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e o nariz e que estejam bem ajustadas ao rosto com elásticos ou fitas atrás das orelhas ou na nuca, sem deixar espaços nas laterais.

 

“Recomendamos que no ambiente de trabalho, as pessoas levem máscaras extras para fazer a troca. As gotículas de saliva que liberamos ao falar deixar a máscara úmida, além da circulação de partículas de sujeira no ambiente. Ao chegar em casa, manter a rotina de higienização dos itens pessoais usados na rua, das roupas, máscaras e manter limpeza sistemática das mãos”, ressalta a médica.

 

Ao seguir as orientações de distanciamento físico, higienização das mãos e uso desse tipo de máscaras quando houver necessidade de sair, protegemos a nós mesmos, as pessoas ao redor e os profissionais de saúde que estão na linha de frente dessa batalha.

 

 

*Matéria publicada no Jornal da Cidade em 1º de maio de 2020.