UNIMED - Sergipe
08 de Junho de 2022

Junho Vermelho: menos de 2% da população brasileira é doadora de sangue

WhatsApp Image 2022-06-08 at 14.39.25.png

A doação de sangue salva vidas e ampliar esta informação é um dos objetivos da campanha Junho Vermelho. Neste mês, profissionais da área da saúde se unem com o objetivo de divulgar a importância da doação, visando aumentar o número de doadores em todo o país. Hemocentros no Brasil registram baixos estoques de bolsas de sangue, principalmente após o período de pandemia.

A escolha do mês de junho para a campanha deve-se ao fato que, no dia 14 deste mês, é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue. Além disso, durante o inverno, em que são mais comuns as doenças respiratórias e por ser um período que as pessoas ficam mais em casa,  Hemocentros costumam registrar diminuição no número de doadores.
Danillo Silva.png

O hematologista cooperado Unimed Sergipe, Dr. Danillo Silva, explica que existem alguns requisitos para quem quer se tornar um doador de sangue: “Precisa estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 70 anos , pesar no mínimo 50 quilos e, no dia da doação, estar descansado e alimentado”, explica o médico que atende no Centro de Infusão e Oncologia do Hospital Unimed.

Desde 2020, não há mais restrições para que homossexuais se tornem doadores de sangue. Atualmente, as restrições são válidas para quem teve hepatite após os 10 anos de idade, para quem não doou sangue pela primeira vez até os 60 anos, para pessoas com anemia, malária, doença de chagas, HIV, graves problemas no pulmão, coração, rins, fígado ou de coagulação no sangue, com doenças associadas aos vírus HTLV I e II, Hepatites B ou C, entre outras condições permanentes ou temporárias.

Segundo o Ministério da Saúde, menos de 2% da população brasileira é doadora de sangue. A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta que um país deve ter entre 3% e 5% de sua população como doadora. “Falta consciência cultural da importância do processo, tanto que muitas pessoas só se tornam doadoras após um amigo ou parente próximo ser acometido por uma patologia e necessitar de sangue doado”, esclarece Dr. Danillo.

O processo da doação de sangue é simples, dura menos de uma hora e não oferece riscos ao doador. O ato voluntário pode ser realizado sem que se saiba quem receberá o sangue, como também vinculada a um parente ou amigo. Após o momento da doação, é necessário seguir algumas orientações.

“Antes de deixar o banco de sangue, o doador deve ficar sentado por pelo menos 15 minutos. Comer e beber o lanche oferecido. Tomar líquidos em doses extras, principalmente nas primeiras quatro horas após a doação, e evitar subidas pesadas e exercícios físicos por 12 horas”, orienta o hematologista.

 Hemose

Em Sergipe, as doações de sangue podem ser feitas no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), que faz parte da Secretaria de Estado de Saúde (SES).O órgão realiza o serviço de coleta, processamento, armazenamento e distribuição de sangue e hemocomponentes, além de  selecionar  os doadores.